Grito Rock América Latina | Camaçari/Bahia/Brasil

Por: Alex Costa

* (28/02/2011 – Itinga, Lauro de Freitas/Bahia) *

Após um breve descanso, a volta…

Voltamos a Camaçari, lugar onde lançamos o CD em 2010. Antes, correria. Claro que o dia precisa fazer jus ao nome do CD, literalmente “Da Escravidão ao Salário Mínimo”: não era nem 6h da manhã e eu, Alex, já estava de pé, em pleno sábado de sol. Futebol, passeio, praia? Não! Era trampo mesmo!

Correria pura. Saí do trampo às 10h, Seminário na Faculdade até o meio-dia. Salvador parada num congestionamento, e eu, às 13:20, atrasado pro curso e sem almoçar. Pausa para lanchar às 14h e aguardar o “PDM Móvel”. Finalmente a viagem para Camaçari… tudo bem se não fosse mais um congestionamento entre Lauro de Freitas e Camaçari e finalmente a estrada.

 

JP+Tio Alex

Enfim chegamos e desta vez temos Wilson and family, fazia tempo que João Pedro não via o pai tocar e lá estava ele, de camisa preta do Ramones, igual ao tio Alex.

Wilson's Family...

Camaçari é considerada a nossa segunda casa, ou seria a primeira? Na boa, é sempre muito bom tocar lá, são amigos de sempre, os novos e os futuros Rocker’s, pois não foi só Wilson que levou o herdeiro, como disse Alisson algumas vezes durante o show: “tragam as crianças para a praça, vamos curtir rock’n roll”!

Alisson Lima by JoCapone

O show começou com certo atraso, mas nada que prejudicasse a nossa apresentação, até que após acharmos que o som estava bom aos ouvidos atentos da platéia, descobrimos que as caixas estavam falhando e fomos informados que precisávamos parar para acertar o som.

PDM By Jo Capone

E aí? O que fazer?

Alex By Jo Capone

Bem, eu preferi tomar umas cevas com Alisson, Wilson e Joilson Patife enquanto aguardávamos os técnicos trabalharem no som, e olha que já tínhamos tocado 3 ou 4 músicas com o som meia-boca, “let’s rock baby” . Após esta pausa pudemos enfim tocar o restante do nosso repertório até quando esgotou nosso tempo, mas querem saber? Isso não apaga o nosso prazer de tocar, ver a galera cantando nossas músicas, subindo no palco e pedindo mais um!

PDM By Jo Capone

Após nossa apresentação, pudemos curtir ainda The Pivos e Camarones – RN, que como sempre fizeram grandes apresentações.

Valeu Camaçari!

..|..

Anúncios

* (24/01/2011 – Monte Alegre/SE – 18:00h) *

Aracaju tá perto...

 

Já está escurecendo e a previsão do horário para chegarmos já foi extrapolada, rodamos o dia todo e agora nos perdemos dos Patifes, não sabemos se estão na frente e ou ficaram para trás, resolvemos parar um pouco para esperá-los. Ainda não tomamos banho e acredito que chegando atrasados, vai ficar difícil tocar cheiroso em Aracaju.

Vista da cidade de Piranhas/AL

..|..

 

Mais cedo passamos por cima do Rio São Francisco e tiramos algumas fotos bem legais, agora o laptop tá acusando a bateria fraca e eu vou ter que esperar uma oportunidade, até!

Velho Chico / Xingó/AL/SE

* (25/01/2011 – Voltando pra casa – 11:00 – Estância/SE) *

Quando chegamos, aproximadamente as 21h, uma banda chamada Trimorfia queriamos agradecer ao batera por ter deixado as ferragens para que Wilson pudesse usar –  tocava sua última música antes de nós subirmos ao palco, e aconteceu o esperado tocamos fedendo, sem banho e cansados da viagem! O palco era bem grande e localizado no centro, próximo ao cais/orla, num lugar chamado Rua da Cultura, tinha gente de todo tipo e nós sentamos a mão, tirando algo de onde não tinha mais nada. Eu pelo menos estava no final, mas Alex e Wilsonque em algumas músicas derrubou parte da bateria, o que de certa forma deu tempo pra dá uma respirada enquanto arrumavam o palco da bateria, evitando que a mesma despencasse – como disse, os 2 ainda estavam no maior gás, seguraram a onda enquanto eu quase desmaiava de cansaço! Mandamos quase todo o setlist, quando alguém da produção sinalizou que teriamos mais 6 minutos, então decidimos tocar mais uma nossa e “Até Quando – Plebe Rude” pra encerrar a noite. Depois que acabamos, descemos pra tirar algumas fotos, trocamos idéia com uma turma depois do show e ainda conversamos com um bróder Tassinho da Sublevação e fomos sentar, tomar umas geladas e vender CD na banquinha montada pela galera do “Coletivo VIROTE”.

..|..

Wilson Family...

Os Patifes subiram na fedentina também e fizeram outro grande show, um grande orgulho da nossa cena!

Fomos pra “Casa da Cultura”, onde jantamos uma macarronada, demos boa risadas com a rapazeada e os Patifes. A hospedagem foi solidária mas percebemos que necessitávamos de algum conforto a mais para pegarmos a estrada na manhã seguinte e aceitamos o convite de Ueliton e fomos dormir em sua casa, onde fomos muito bem recebidos.

Wilson ficou em Aracaju e eu, Alex e Edvaldo, estamos voltando pra casa com sensação de dever cumprido.

Nossa gratidão a todos que nos acolheram, organizaram os show’s, assistiram aos shows e participaram dessa viagem punk rock alucinada pelo sertão!

Todos os relatos foram escritos por Alisson Lima.

Fotos por: Edvaldo, Alex Costa, Alisson Lima, Wilson Santana.

RESUMO:

+ de 3mil Km rodados, sem nenhum pneu furado;

+ de 85 litros de bagagem no carro;

+ de 6 horas de video gravado;

+ de 6 horas de show;

+ de milhares de músicas ouvidas;

+ de cem piadas contadas;

+ várias risadas;

+ centenas de latinhas consumidas e conseqüentemente várias paradas para mijadas;

+ várias amizades foram feitas e muitas outras consolidadas;

+ nenhuma corda de baixo/guitarra quebrada;

+ de meia dúzia de baquetas foram quebradas;

+ apenas um pouco mais de 14 horas de sono | entre 4:ooh de 21/01 até horário do ultimo show em aracaju;

+ várias parcerias firmadas;

+ de 6 músicas gravadas;

+ de 500 fotos tiradas;

+ vários sanduíches de mortadela foram devorados;

+ vários cd’s e camisetas vendidos;

+ muitos autografos dados;

+ + +

..|..

* 23/01/2011 (Casa de Talles=Templo do Rock Cearense/Fortaleza/CE – 16:30) *

Fortaleza será o destino! | Foto by Alisson PDM

Depois que saimos de Pombal, paramos apenas para o café da manhã e seguimos direto, no som rolando só som “punk” do bão! fizemos algumas paradas curtas apenas para as tradicionais “mijadas” e “cafezinhos”, teriamos que chegar o quanto antes em Fortaleza, pois iamos gravar o podcast. As 14h chegamos na casa de Talles Lucena | Full Time Rockers/Panela Discos, um verdadeiro templo do rock’n’roll – posters de bandas, cartazes antigos do led zeppelin, raul seixas, recortes de jornais, bonecos e miniaturas do kiss, beatles, lennon, fredy mercury, revistas hq e muita coisa ligadas ao rock’n’roll decoram as paredes da casa/escritório – encontramos os Patifes, confraternização e rango.

Bug | By W.PDM

Sem muito descanso, chega Talles e pergunta: e ai macho, tão no speed? e fomos logo pro estúdio gravar as músicas para a rádio podcast do selo Panela, sob o comando de Pablo, gravamos “Ruas”, Insonia “DECLINIUM”, “Olho Torto”, “Moicano”, “Para vida que passa!” e “Terra em Transe”.

Os olhos do John... | By W.PDM

Nesse momento os Patifes e Talles já estão se dirigindo ao The Pub onde acontecerá o show dessa noite, eu estou esperando a minha vez de tomar um banho, Wilson está tirando algumas fotos  de Alex com o boneco de Lennon e Edvaldo está lá fora na varanda olhando o tempo e traçando a rota do dia seguinte.

Dentro de mais alguns instantes teremos que seguir para o “The PUB”.

Em frente ao The PUB | Foto by Edvaldo

* 24/01/2011 (Em algum lugar entre Fortaleza e Aracaju – 08:00) *

Chegamos no The Pub, encontramos alguns conhecidos (Ilson Barros|Zefirina Bomba), Batman (o velho conhecido da cena de Salvador, sempre ia nos show’s do velho e bom “Quilombo Cecilia”, que de tão cheio que ficava, ameaça sempre desmoronar), conhecemos figuram ilustres da cena Nordestina (Edy – baixista e membro de tudo que é banda Paraibana), Rayan do Coletivo MUNDO, Max da RedeCem, Rodrigo (vocalista da Thundra) e após colocarmos os equipamentos no Backstage, fomos ver a Full Time Rockers que tava passando o som, já deu pra perceber o que viria pela frente, alguns minutos depois os caras voltam ao palco, com nova formação, detonam um hard rock/stoner envenenado da porra, parecia banda gringa, lembrando muito as bandas de “Detroit/USA”, eu curti muito e uma música chamada “The Dry Law”, que som! é rock de camisa preta maluco!! Talles tem uma postura forte no palco e a banda é bastante ativa e performática, mais pontos positivos!

Em seguida uma banda de lá que eu não conhecia, Thundra fazia uma punk/HC moderno, mas sem frescura me lembrando um pouco Jason o que é um boa referência, e uma ótima performamce! E que baixista doido é aquele…

A banda seguinte foi a Lavage, que segundo os que assistiram o show detonou com seu punk rock bublegum, eu não vi porque nesse momento andava pelas ruas de Fortaleza procurando uma farmácia, tendo em vista que eu acho que alguma coisa que eu comi me fez passar muuuuito mal. Uma pena, foi o segundo show da Lavage que eu perco (eles tocaram no Palco do Rock).

Cheguei a tempo de assistir o Clube de Patifes, e posso afirmar, da última vez que peguei um show deles houve um crescimento absurdo, na pegada, quando é pra ser mais rock é realment6e mais rock, quando é pra ser mais blues é muuito mais blues, Pablues cada vez mais dominando o espaço e Stephen detonando nas guitarras. Botou a galera pra dançar!

 

Clube de Patifes | Foto by Edvaldo

Na nossa vez, subi o palco ainda sob efeito do remédio – Wilson também começou a reclamar que não estava bem, apresentava “quase” o mesmo quadro clinico que eu, ou seja, uma “gaganeira da desgraça” –  pensando que não seria um bom show mas me enganei, foi porrada  por cima de porrada sem tempo pra respirar, me senti leve e sai pulando junto com a galera que participou do show. Já no finalzinho, chamamos Edy Gonzaga (baixista do Zefirina Bomba/Cabruêra/Madalena Moog e outras zilhões de bandas da Paraiba) pra cantar umas músicas mas ele acabou foi pegando a guitarra e nós tocamos, Festa Punk, dos Replicantes e Isto é Olho Seco, do Olho Seco, pronto, ali, sem sombra de dúvidas, foi nosso melhor show, mesmo com todos os problemas.

Rapidamente entrou no palco o Zefirina Bomba que já começou com “O que é que tem pra tu vê na TV” e seguiu com seu repertório, botando fogo no The PUB. Infelizmente alguns problemas  forçaram a Zefirina a encerrar o show mais cedo.

Do lado de fora discutíamos sobre partir ou não pra Aracaju naquela hora ou esperar amanhecer, eram 23:00 e pegar a estrada nesse horário não é muito recomendável…

As 02:30 da manhã depois de quase quatro horas na estrada pela madrugada, resolvemos, por conta do cansaço dos motoristas, procurar um lugar pra descansar, aí você pensa a porra! Oito homens, mal encarado e tatuados, andando pela rua e dois carros pela madrugada numa cidade pequena, do interior de algum lugar (Russas), nem a viatura encostou! Acho que devem ter pedido reforço a cidade vizinha, porque não parecia coisa boa não! Mas, encontramos uma pousada de beira de estrada, dois quartos, cada um com três camas e uma rede, baratas, besouros e percevejos pelas paredes e pelo chão. Filme de terror perdia, mas tentamos dormir e acho que conseguimos. Saímos as 05:30, ainda estava escuro no meio do nada.

Paramos agora na rodoviária de Jaguaribe/CE, onde estamos tomando café com pão, menos eu que ainda estou com o estomago estragado, coisas da estrada. O destino é Aracaju e mais umas 12horas de viagem aproximadamente!

 

Patifes+Pasteis no café da manhã... | Foto by Edvaldo

* (23/01/2011 – BR 230 – Entre Pombal/PB e Fortaleza/CE- 09:00h) *

Como pode se imaginar chegamos inteiros em Pombal. A chuva que caia era de assustar qualquer um e no som rolando “queens of the stone age”, mesmo assim procuramos a Sede Operária onde seria realizado o evento, ao chegar ao local a banda do nosso camarada Osvaldo Moésia – BAIÃO D’DOIDO – se apresentava com uma boa postura cênica e uma garota no vocal, infelizmente era última música. Com uma pequena demora entram em ação Os Reis da Cocada Preta que fizeram um show cheio de referências de MPB, rock, experimentalismos, peso e modernidade.

PDM | Sede Operária | Pombal/PB | by Edvaldo

Quando subimos ao palco eu pude perceber que não havia uma caixa própria para a guitarra e ao perceber que ela (a guitarra) teria que ser ligada em linha, corri e fui pegar emprestada aos Reis da Cocada Preta, que prontamente me cederam. Agradeço aos caras!

Ted arrumando o baixo | by Edvaldo

..|..

Alisson PDM em ação! | By Edvaldo

..|..

W.PDM | by Edvaldo

O show começou e o público já detonava as rodas de pogo por todo o espaço, a moçada do “Os Reis Da Cocada Preta” começaram a dá uns “Stage Diving” e a galera foi junto, tocamos o CD inteiro e ai começamos a mandar Cover: uma sequência de RAMONES botou muita gente pra POGAR com todo o gás, mas num determinado momento pude perceber um tumulto que se iniciava por parte de um cara, que diziam que tinha participado da primeira banda de rock da cidade, imaginei que ele seria contido, o que não aconteceu, e ainda, ele subiu no palco e começou a fazer gestos obscenos para todo o público e para a banda, tropeçava e quase derrubava o P.A., puxava os cabos e ninguém se preocupou em resolver o problema, decidimos encerrar a apresentação ali buscando evitar maiores problemas.

 

a banquinha | by W.PDM

Em Pombal, a Hospedagem seria “solidária”, então fomos nos hospedar na Casa de Auxilio ao Jovem Infrator, arrumamos tudo, tomamos um café quente e pudemos descansar até as 05:30 quando levantamos acampamento e mais uma vez pegamos a estrada após um banho gelado e café quente.

Agora estamos no meio da estrada (rolando uns rockão clássico: black sabbath, led zeppelin, creedence, rush, hendrix, the doors, the kinks, the who e tudo q é rock empoeirado), depois de uma parada estratégica para usar banheiros, comprar água e reforçarmos o café com cuscuz e ensopadinho de carne. O sono vai batendo de leve, o sol está quente e nós indo em direção a Fortaleza encontrar os camaradas do Clube de Patifes, Talles Lucena, Zefirina

 

o cabra num guentou e durmiu! | by W.PDM

..|..

* 22/01/2011 (Sala Multimidia, Centro Cultural do BNB | Souza /PB– 15:00h) *

Acordamos umas 8:30h, arrumamos o que tinha que arrumar e descemos pro café.

Soneca... | Foto by W.PDM

Antes de sairmos do Cariri, passamos pelo Porão do Rock, uma loja bem legal, do camarada Welson (Produtor do Festival Porão Rock), tiramos umas fotos, conversamos e também fizemos uns escambos.

Loja Porão Rock

..|..

Equipo... | Foto by W.PDM

Na mesma manhã ainda fomos pedir a benção ao Padipadimpadiciço (Padre Cícero), tiramos fotos, compramos suvenir, choque, bolas de fogo e um Kamerramerrá antes de partirmos para Souza onde estamos agora.

A Benção... | Foto by Edvaldo

No caminho, algumas obras e a pista de barro e lama geraram alguns momentos de tensão, mas correu tudo bem mais uma vez. Chegamos em Souza/PB debaixo de chuva, com o pessoal da técnica montando o som na parte externa do Centro Cultural BNB/Sousa, fomos almoçar e quando saimos, a certeza que o show seria trasnferido para dentro do CCBNB, ou seja, outro show dentro de um teatro, com todo o protocolo que já sabemos, o show começaria pontualmente as 20:30, e seriamos a atração da noite (unica banda), subimos para conhecer o CCBNB, quem nos atendeu foi Felintro, um dos responsaveis por nossa ida ao Festival Rock Cordel (o outro foi Jofran, que estava viajando), como no dia anterior, fomos bem recebidos, gente super simpática e acolhedora. No mesmo dia, teriamos show em Pombal/PB, portanto, não precisariamos ficar em Hotel, visto que, no CCBNB existe uma estrutura (Camarim, Banheiros, Toalhas, etc), optamos por ficar no CCBNB e economizar a grana de hospedagem. 18:ooh, fomos chamados para passar o som, a JAM SESSION rolou numa boa, bem descontraida, o que contribui bastante para nossa apresentação, tocamos alguma de Hendrix, Declinium, Olho Seco e fomos tomar banho e comer algo.

SetList

* 22/01/2011 (Em algum lugar entre Souza e Pombal /PB– 22:10h) *

O show começou pontualmente as 20:30h, dessa vez não teve banda de abertura, e como já era esperado, devido a forte “tempestade” que caia sobre a cidade, o público foi bem pequeno, segundo a organização do evento, constuma “encher”, mas tinha um público (media de 50 pessoas) e pra gente já valia, a galera presente participou também, primeiro vieram para frente do palco, mas foram logo “orientados” a sentarem-se, depois ficaram pogando por entre as cadeiras e cantando os refrões. O setlist basicamente o mesmo, com pequenas mudanças nas ordens das músicas ou adição de algum cover diferente, tocamos pela primeira vez em show a música “Insonia” dos nossos irmãos da DECLINIUM, mandamos um Ramones em seguida e fomos pro abraço! Um momento legal no final do show foi quando já estávamos desmontando o palco e subiu um rapaz com dois garotinhos, de aparentemente uns 04 e 05 anos respectivamente, que ele tinha ido buscar na roça pra ir ver o show de hoje pois um deles queria ver uma bateria de perto, Wilson deu as baquetas pro garoto “tocar” e foi o que ele fez, tiramos fotos e pegamos a estrada para Pombal/PB, a distância de 50km, mas devido a chuva, o trajeto tornaria-se looooooongo, desmontamos tudo e socamos tudo dentro do carro, de qualquer jeito, o tempo corria.

PDM Ao Vivo CCBNB/Sousa | Foto by Edvaldo

No meio da estrada, onde estamos agora, no breu total, eu com o laptop no colo, os raios detonando tudo, os clarões cada vez mais próximos, a tempestade deixa quase impossível a visibilidade da pista e os trovões gritando nos ouvidos – Highway To Hell do AC/DC – seria a trilha sonora perfeita pra ocasião – uns caminhões vindo no sentido contrário. “Tô cabreiro”, vou desligar essa porra e esperar chegar vivo.

1º DIA:

* (21/01/2011 (Hotel Horto, Juazeiro do Norte/CE – 16:53h) *

Rock N Road | Foto by W.PDM

Saímos de Salvador/Lauro de Freitas/BA ás 04:00h, alta madrugada, Wilson foi pegando cada um em sua casa, Alex, eu e por último Edvaldo.  Ainda estava escuro e depois de tudo acomodado, pegamos a BR-324 e mais tarde a BR-116 Norte.  No caminho viemos escutando umas velharias do rock nacional, tipo Camisa de Vênus, Ira!, Plebe Rude, Zero, Hojerizah, Ultraje, Inocentes e tals. Logo que o dia clareou, paramos em Santa Barbara/BA para tomarmos um cafezinho e comermos um já conhecido “Pão com requeijão” da região. Terminado o café, volta pra estrada.

Pausa para café | Foto by Edvaldo

A viagem transcorreu bem tranqüila com Wilson e Edvaldo (4º PDM) se revezando ao volante, o tempo estava chuvoso e a paisagem sempre seca do sertão estava verdejante, o que é bom.

Parada para abastecer | Salgueiro/PE | Foto by Edvaldo

Em Salgueiro/PE, uma parada estratégica para abastecimento(s), álcool no carro e no organismo e foi ai que teríamos que dá uma acelerada, pois recebemos a notícia de que a passagem de som que seria as 16:00h foi transferida para as 14:00, nós chegamos as 14:30 e fomos logo pra passagem de som,  sem almoçar. O lugar onde iríamos nos apresentar fica num edifício central da cidade, é o Centro Cultural do BNB, num teatro, com cadeiras acolchoadas, camarim, ar condicionado e todo o conforto que precisávamos, um lugar com uma puta estrutura de palco e iluminação, sem contar o som que a organização colocou, era simplesmente: excelente. Passamos o som e fomos almoçar num restaurante local e em seguida fomos para o hotel, onde estou escrevendo agora enquanto os caras curtem a programação televisiva local. O show vai começar as 18:30, nossa apresentação será as 19:50 pois seremos a banda “headliner” do dia, então, até mais tarde.

Centro Cultural BNB | Juazeiro do Norte/CE | Foto by Joilson

..|..

PDM em Frente ao CCBNB/Cariri | Foto by Edvaldo

* (22/01/2011 – 10:53h na estrada, a caminho de Sousa/PB) *

VAI COMEÇAR:

Chegamos um pouco mais cedo ao CCBNB para montarmos a banquinha e quando a galera começou a juntar pra ver material, público já tinha chegado e alguns que não puderam entrar devido ao horário, depois que o espetaculo começa, ninguem entra, os que ficaram de fora, só poderiam entrar pro nosso show, menos mal. A banda de abertura teria que começar a apresentação e por isso tivemos que desmontar a banquinha, mas mesmo assim, nessa correria, conseguimos vender alguns CD’s e camisetas.

No Camarim do CCBNB/Cariri | Foto by Edvaldo

PDM + Edvaldo | CCBNB/Cariri | Foto by Wilson Santana

A abertura do show foi feita por uma banda da região, chamada TROSTKI, um som meio jazzista, meio MPB com uma menina no vocal, e a banda aparentemente passava por alguns problemas, mas mesmo assim eles fizeram uma boa apresentação.

PDM + Palhaço TRAQUILINO no Camarim do CCBNB/Cariri | By Edvaldo

Wilson no relax! | Foto by Alisson PDM

Casa cheia – o Teatro deve ter capacidade para 300 pessoas e tava cheio – descobrimos logo em seguida que, por se tratar de um teatro, teríamos (banda e público) que seguir todo o protocolo que esse tipo de casa pede, ou seja, o público não poderia sair das cadeiras para agitar e nós não poderíamos beber no palco. Mas mesmo assim, com esse protocolo, deu pra rolar uma boa interação com o público que a todo tempo se levantava e tentava sair “pogando” por entre as cadeiras, obviamente sendo reprimidos pelos seguranças do teatro para em seguida insistirem novamente no “pogo”. Eu tinha “mocozado” um uísque que, de vez em sempre, acessava pra turbinar a máquina.

PDM Ao Vivo no CCBNB/Cariri | Foto by Edvaldo

O Ingresso...

Mandamos sem pudor o repertório do novo CD – Da Escravidão Ao Salário Mínimo – a galera cantando os refrões de músicas como – PDM, Ruas, Opressão… – tocamos até Break On Through (To The Other Side) do The DOORS que não tava no setlist e pra acabar de matar a galera, mandamos Pet Sematery do RAMONES, show terminado, alma lavada, e no final vendemos vários CDs e camisetas, desmontamos tudo e quando descemos (o teatro fica no 7º andar), tivemos uma grata surpresa, parte do público que estava no show, estava nos esperando para comprar material, tirar fotos e também nos pedindo para autografar  o CD e o folder do evento com a nossa foto, então, fizemos o social, guardamos os equipamentos no hotel – que ficava ao lado do CCBNB – e fomos no bar, beber umas cervejas com uns brothers da cena grind/hc local, o bar no centro da cidade, e bem próximo ao hotel, ficamos ali, tomando umas geladas e escutando um figura cantar/tocar os clássicos da música brega existencialista, Sartre que o diga.

PDM Ao Vivo no CCBNB?Cariri | Foto by Edvaldo

..|..

PDM Ao Vivo | CCBNB/Cariri | Foto By Edvaldo

..|..

Autografos... | Foto by Edvaldo

Autografando... | Foto by Edvaldo

Diário da Tour

Publicado: 27/09/2010 em Dia A Dia | Day By Day

Pastel De Miolos | DA ESCRAVIDÃO AO SALÁRIO MÍNIMO Tour2011

Podem chamar de PDM. Assim mesmo, seco, curtíssimo e caceteiro. É como a banda toca, literalmente. Um power trio (guitarra, baixo e bateria, respectivamente Allisson Lima, Alex Costa e Wilson Santana) que passou quinze anos tocando junto e durante todo esse tempo conseguiu manter a coerência no som, nas atitudes que interessam e na forma de fazer música, sem firulas ou modismos. E para celebrar uma década e meia de vida, em 2010 foi lançado o CD “Da escravidão Ao Salário Mínimo”, com produção “esmerada” e “sujada” por Jera Cravo. “Da escravidão…” é um disco conceitual, que fecha um ciclo, a trilogia iniciada em 2007, com o lançamento do EP “Ruas”, e em 2009, com o álbum “Ciranda”, lançado exclusivamente no formato virtual, atingindo mais de 4mil downloads e eleito o 4º melhor disco baiano de 2009. Desde o lançamento de “Ruas” os show’s foram sempre constantes, dessa forma, e não poderia ser diferente, com “Da Escravidão Ao Salário Mínimo”, em janeiro/2011, serão 7 apresentações, sendo 6 show’s na estrada em apenas 4 dias, onde será apresentado um repertório que segue a mesma ordem do disco, sempre com muita intensidade e energia. São coisas de quem atravessou mais de uma década. Coisas de quem saca que, Punk Rock & Hardcore são muito mais que estilo, são muito mais que simplesmente barulho…

DATAS:

* 21/01/2011@Juazeiro do Norte/CE – V FESTIVAL ROCK CORDEL – CCBNB
* 22/01/2011@Sousa/PB – V FESTIVAL ROCK CORDEL – CCBNB
* 22/01/2011@Pombal/PB – V FESTIVAL ROCK CORDEL – CIRCUITO SERTÃO É + ROCK
* 23/01/2011@Fortaleza/CE – Gravação Programa/Podcast “Estúdio Panela”
* 23/01/2011@The PUB – FORTALEZA/CE – Panela Autoral Nordeste
* 24/01/2011@Aracaju/SE – Rua da Cultura
* 29/01/2011@Camaçari/BA – CANCELADA


** Abril/2011@Vitória da Conquista – A CONFIRMAR


*** Maio/2011@São Paulo – A CONFIRMAR


 

Pastel De Miolos | RELEASE 2011

2010, foi o inicio de mais uma década, e a Pastel De Miolos, agora sim, completa uma década e meia, quinze anos, e debutou com a mesma cara do início, uma cara ousada, sem medo de experimentar sonoridades e idéias, caso alguém não se lembre na primeira fita K7, de 96, já aparecia alguma coisa de blues e até de valsa, mas numa banda que se propôs a tocar Punk Rock?

Sim! Porquê a liberdade que uma banda tem de experimentar também faz parte do segredo de sua longevidade, afinal a PDM foi a primeira banda de rock da Bahia a gravar um SKA – a música Indústria da Seca -, enfim uma banda que nunca teve medo de fazer o que quizesse, explorando um pouco do METAL e até do PÓS-PUNK.

Mas e o tal PUNK ROCK? E o HARDCORE?

É o tronco principal de onde saem todas as ramificações! É aquele que fez história nas referências do OLHO SECO, CÓLERA, The JAM, The CLASH, DEAD KENNEDYS, INOCENTES, REPLICANTES, BRIGADA DO ÓDIO, The RAMONES, dentre outras tantas. PUNK ROCK/HARDCORE com identidade própria, porquê Pastel De Miolos não parece com nada! Com nada mesmo! Só com Pastel De Miolos, de musicalidade simples e complexa, guitarra alta/suja/cheia de efeitos, baixo galopado/tocado com os dedos e bateria forte/ensurdecedora/mas sem caretas por parte do batera, e duas vozes cheias de personalidade/esporrentas/melodiosas/gritadas/dando início e terminando palavras, sílabas e frases juntas e separadas/complementares.

Tá bom? O que vem por aí? Mais som! Em 2010, tivemos uma overdose de Pastel De Miolos, afinal uma banda com 15 anos tem muito material escondido pra lançar e relançar, shows ao vivo, gravações toscas de estúdio, demos lançadas só em fita K7, singles, EPs e o CD novo – DA ESCRAVIDÃO AO SALÁRIO MÍNIMO –, um disco conceitual, o fechamento de um CICLO. O disco tem produção esmerada e sujada por JERA CRAVO, com músicas inéditas e algumas antigas, com uma cara atual ou até mesmo velha. O novo disco foi lançado em parceria com os selos: Brechó Discos, BigBross Records, Quina Cultural, Pisces Records, Tamborete Entertainment.

É difícil parar… Mais quinze anos adiante Pastel De Miolos!